terça-feira, 30 de setembro de 2008

Et Cetera e Tals

Estou me sentindo muito estranha essa semana. Tudo bem, adoeci, tive uma discussão com a pessoa que mais amo nesse mundo (meu esposo), estou em TPM, mas é uma tristeza que não quero sentir, mas não também não quero ficar alegre. A verdade é que no fundo não quero fazer parte desse mundo. Sinto saudade do futuro, saudade do meu esposo que está do meu lado, saudade de algo que nunca tive. Não consigo explicar o que estou sentindo, é como se eu estivesse à beira de um precipício e nada nem ninguém pode me ajudar. São manifestações sobre mim mesma. Acho que está tudo fora do lugar, estou com alguns problemas emocionais, ando muito nervosa. Enfim, sinto-me absurdamente estranha.Insisto em fazer as pessoas sorrirem, insisto em ver todos bem a minha volta, sou alegre, espontânea, sorrio demais, mas será que minha alma sorrir também? Se as pessoas vissem como minha alma fica quando eu sorrio, todos chorariam de tristeza. Hoje estou pra desabafar mesmo. Sou apenas uma casca e minto pro mundo que sou livre dos momentos sombrios. Eu insisto em uma tristeza que não é preciso existir, que precisa estar longe, mas mesmo assim busco ela dentro de mim. Não me entendo, me interrogo, mas não me entendo, me respondo, mas não me entendo, me vigio, mas não me entendo. Tento, mas não consigo. A vida é feita de salas, e com quem nos deparamos nessas salas e que formam nossa vida. Amadureci rápido com as pessoas que me deparei, contando também com meus pais. Mas esse amadurecimento precoce teve problemas, e o mais grave é esse desconhecimento, essas perguntas que me faço sobre essa tristeza profunda que nem eu me permito descobri o por quê. Falando assim parece que não tenho amor à vida, aos problemas, et cetera e tals. Mas a verdade é que tenho amor sim, mas todos nós temos 2, 3 faces, sei la. Tenho meus momentos off e isso acontece quase todos os dias. Não sou muito de desabafar dessa forma, acho que todos têm problema e quando abrimos nossa boca o mundo não quer nem saber, vira as costas pra você. Todos querem apenas ver sorrisos, acertos, histórias bonitas. Mas falhas, tristezas, lágrimas, fazem parte da nossa trajetória e todos que fazem parte desse mundo têm seus momentos e precisam de alguém pra desabafar. Mas esse desabafo muitas vezes não é procurando solução e sim alivio do coração.

Desejo que gozem de alegrias por toda essa semana!

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Celular, atender ou não?

Caros leitores, já repararam que o celular só toca em horas não apropriadas? É quando estamos em reunião, é no cinema assistindo aquele filme maravilhoso, é no velório do pai do amigo, é quando se está no salão com as unhas feitas, é no trânsito... Eita aparelho pra incomodar, viu! Hoje mantenho um celular por conta de minha família que mora longe, porque senão já teria deletado ele da minha vida rss.
É inexplicável como as pessoas que mais ligam pra gente, são pessoas que pouco nos importamos se liga ou não liga. Celular é bichinho muito mal educado. Ops!!! O celular ou as pessoas que fazem o uso dele?
Falando das pessoas que fazem uso dele, começo a postagem.
Gente tem pessoas que são surpreendentes no fato de incomodar. Eu fico pensando: o que leva uma pessoa a ligar diversas vezes para o celular do outro, perceber que a pessoa não está atendendo por algum motivo e depois colocar no confidencial? Se não está atendendo porra, é por algum motivo. Às vezes está no trabalho, no cinema, no banho, numa conversa a dois, fazendo aquele amor com a pessoa dos sonhos ou um dos motivos que citei no começo... Em qualquer um dos casos a pessoa vai ver a chamada não atendida e retornará depois. Enfim, não adianta inventar motivos pra ligar 20x no dia. Dai essas pessoas colocam o celular no modo ID não identificado e começam a ligar. Pra começar não suporto quem me liga com número restrito, pois quem quer falar mesmo com a pessoa, liga aparecendo o número, dai se a pessoa não atender, o número fica gravado para retorno. Mas se me ligam 10x e eu não atendo, de repente o celular toca e é um número confidencial, eu faço questão de atender, mostro que não estava afim mesmo de falar. Pow, a pessoa tem que se mancar e saber que eu não queria atender ou não podia. É gostar de sofrer! Tem mala sem alça pra tudo nessa vida.
Ps: Se você quer mudar o template do seu blog, mas não entende pacas de html, participe da promoção do Se Mata! Clique aqui, aqui ou aqui para saber mais informações.

Uma linda semana pra vocês!

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Mais uma etapa

Caros amigos leitores, hoje gostaria de falar sobre mais uma etapa da minha vida. Englobarei a felicidade e um sentimento terrível que é a inveja. Já fiz postagens sobre FELICIDADE e sobre AMADURECIMENTO, quem quiser conferir e só clicar nos respectivos nomes.
Mas agora quero falar o quanto amadureci depois que casei. Sempre fui muito menina e ainda tenho um pouco disso, acho até bom. Sempre tive muita responsabilidade na vida, quem já leu MEU PERFIL sabe do que estou falando. Mas a distância da minha família, da minha base que são meus pais, amigos, tudo isso me fez ver a vida por outro ângulo.
É quando a gente ta longe que percebemos quanta coisa virou só lembrança... Sentimos falta das coisas mais simples, dos lugares frequentados, dos amigos mais sinceros e até dos mais falsos, das besteiras cometidas, das alegrias vividas e deixadas por lá... E tudo se transforma em saudades. Não é 1km, nem 300km, são mais de 2 mil km de distância. Meu esposo é meu pai, amigo, irmão, companheiro, namorado, é simplesmente tudo. Não sei quem segura a barra maior.
Mas a distancia ajudou a gente a amadurecer muito como casal. Como os pais dele moram em outra cidade e os meus estão distantes, quem recorremos quando temos brigas conjugais? Um ao outro. Então ou fazemos as pazes na mesma hora ou dormiremos emburrados, coisa que nunca aconteceu. Foi tudo de uma hora pra outra; a minha vinda, o noivado, o casamento, e um ano já se passou. Rápido demais. Dizem que o primeiro ano é o mais complicado, acho que só senti tanto por causa da distância da família e dos amigos; mas a gente se dar muito bem e não tivemos problema quanto ao primeiro ano. Tudo bem que até se acostumar com a vida de casada, o mesmo ambiente todos os dias, eu que sou chata então afff. Fora o estado que é outro, totalmente diferente da Bahia, mas tem seu lado bom, cada lugar com sua cultura. Só tenho a agradecer a Deus, somos abençoados a cada dia. É muita felicidade, Alhamdo lillah (graças a Deus)!
Pensando sobre felicidade me veio na cabeça como cada ação provoca uma reação. É um efeito dominó, seja lá o nome que vocês preferem chamar. Mas é incrível o preço do ficar bem, da felicidade. Aconselhando uma grande amiga, pensei sobre isso. A gente estava falando sobre relacionamentos e arrancar a felicidade de alguém. Acontece que sempre arrancamos a felicidade de alguém quando estamos felizes. É a lei natural das coisas.
* Se eu conheço uma amiga através de outra e a gente passa a andarmos juntas demais, a outra amiga vai se sentir excluída, vai ficar com raiva. Nesse caso foi tirado a felicidade de alguém não foi? (Ressalto que amo quando faço duas pessoas se encontrarem, quando sou a intermediaria de uma amizade ou relacionamento. É um prazer apresentar as pessoas umas as outras).
* Digamos que você conhece um rapaz e ele ficava com uma garota, ela se apegou muito a ele. Mas terminaram e agora é sua vez, vocês estão felizes, se amando muito, mas e ela? Infeliz por ter perdido um amor, por não está no seu lugar.
* E se eu estou feliz com o emprego novo dos meus sonhos? Minha amiga deixou um curriculum lá e não conseguiu o emprego, mas eu consegui. A amiga sem querer fica com inveja, chateada e infeliz.
* E se eu comprar um carro novo? Decorar minha casa ou quem sabe apenas colocar um portão novo?
- Tem uma pessoa que gosto dela pra caramba, contarei o milagre, mas não o santo. Essa pessoa vinha sempre na minha casa. Mas gente, era incrível sempre algo acontecia depois que ela ia embora. Seja brigas ou algo material quebrava. Sinto que ela é mal amada, não sabe o que é amar de verdade, não sabe valorizar amigos, é solitária por dentro e traz as energias ruins dela pra dentro da minha casa ou pra gente quando temos contato com ela. Fora que ela fala demais e sempre fala o que não deve.
O que estou querendo dizer, é que sempre haverá pessoas infelizes por verem alguém vivendo aquilo que tanto almeja. Enquanto estamos pulando de alegria, outros estão com sentimento ruim, com inveja e acabam essa carga na gente. Sempre agredimos alguém quando estamos bem. Sempre tiramos algo de alguém com nossa felicidade, mas nem por isso deixaremos de buscar a felicidade.
Recadinho como rémedio para os invejosos: Pense, o que é nosso é nosso e ninguém tira. Quando não é pra ser, pode ter certeza que não será. Não existe: Ohh era pra ser desse jeito ou daquele. Ela roubou ele de mim. Não invente desculpas pra algo que não é seu.
.
Ps: Estou super cansadinha, acabei de chegar de um mega show do Capital Inicial, isso mesmo, Capital Inicial. Hummmm curti muito com o maridão!!!!! Maravilha de show!!!!
.
Desejo uma linda semana para todos!

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

À Bunda

Olha, desta vez você passou das medidas. Só não boto você para fora, agora, porque é a sua cara dar escândalo.
Estou cheia de você atrás de mim o tempo todo. Fica se fazendo de fofa, enquanto, pelas minhas costas, chama a atenção de todo mundo para meus defeitos.
Você está redondamente enganada se pensa que eu vou me rebaixar ao seu nível – o que vem de baixo não me atinge. Mas faço questão de desancar essa sua pose empinada.
Por que nunca encara as coisas de frente?
Fica parecendo que tem algo a esconder. Por acaso, faz alguma coisa que ninguém pode saber?Você é, e sempre foi, um peso na minha existência – cada papel que me fez passar... Diz-se sensível e profunda, mas está sempre voltada para aquilo que já aconteceu. Tenho vergonha de apresentar você às pessoas, sabia?
Por que você nunca encara as coisas de frente, bunda? Fica parecendo que, no fundo, tem algo a esconder. Por acaso, faz alguma coisa que ninguém pode saber? O que há por trás de todo esse silêncio?
Você diz que está dividida e que eu preciso ver os dois lados da questão. Ora, seja mais firme, deixe de balançar nas suas posições.
Longe de mim querer me meter na sua vida privada, mas a impressão que dá é que você não se enxerga. Porque está longe de ter nascido virada para a lua e costuma se comportar como se fosse o centro das atenções.
Bunda, você mora de fundos, num lugar abafado. Nunca sai para dar uma volta, nunca toma um sol, nunca respira um ar puro. Vive enfurnada, sem o mínimo contato com a natureza. O máximo que se permite é aparecer numa praia de vez em quando.
Não é de admirar que esteja sempre por baixo. Tentei levar você para fazer ginástica, querendo deixar você mais para cima, mas fingiu que não escutou.Saiba que você não é mais aquela, diria até que anda meio caída. E vai ter que rebolar para mexer comigo, de novo, da maneira que mexia.
Lembro do tempo em que eu, desbundada, sonhava em ter um pouquinho mais de você. Agora, acho que o que temos já está de bom tamanho. E, pensando bem, é melhor pararmos por aqui antes que uma de nós acabe machucada.
Sei que qualquer coisinha deixa você balançada, então não vou expor suas duas faces em público. Mas fique sabendo que, se você aparecer, constrangendo-me diante de outras pessoas, levarei seu caso ao doutor Albuquerque*.
Lamento, isso dói mais em mim do que em você, mas você merece o chute que estou lhe dando. Duplamente decepcionada. (Fernanda Young)
* A colunista refere-se ao cirurgião plástico Pedro Albuquerque, de São Paulo.


Só a Fernanda Young mesmo pra narrar um texto inteligente como esse. Afff minha bunda sempre chamou muito atenção. Então era apelidos por toda parte, no colégio, no trabalho, na academia, na rua... Um dia um cara que eu nunca tinha visto na vida, veio me perguntar na academia se eu só malhava bunda. Fiquei pasma e respondi: - claro que não! Alias, você me ver malhando bunda? Pois é caro leitores, só faço exercicios de leve com ela, porque o medo é grande de ficar uma melancia rsss. Mas ainda bem que a lei da gravidade ainda não chegou, está toda redonda e em cima. O maridão que o diga rsss.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

A VIDA E SUAS EXIGÊNCIAS

A vida em si é muito complicada!
Na realidade estaria errada afirmando o termo acima? Sim, estaria!
A vida não é complicada; nós é que a complicamos.
Ela é cheia de humor, trajetórias, surpresas e tem suas exigências.
Na vida tudo tem seu preço, por mais puro que seja o desejo, a fantasia, o objetivo.
A realização é cara, o lucro é bem trabalhoso.
E os mistérios da vida? Não deixam de serem mistérios.
Como se não bastasse, nunca descobrimos de onde viemos, porque viemos, quem somos e pra onde iremos.
Tudo é ambíguo e temos que conviver e aceitar essa verdade.
Se analisarmos bem, veremos que somos como as formigas: frágeis, pequenas e ridículas.
Mas uma coisa é certa: somos especiais.
Temos algo precioso, que é ela, A VIDA!
Alguns não sabem valorizar a vida.
Outros sabem, mas não crêem que seja real.
E muitos morreram e não aprenderam.
Saber valorizar a vida não é um dom, como ser: médico, cantor, ator, político ou advogado.
Todos nós temos a capacidade de valorizá-la.
O que falta é sermos autores da nossa historia, reconhecermos os nossos idéias.
Vivemos num mundo injusto e que nos fazem querer retroceder.
Mas a vida ela é belíssima!
É tão fácil ser legal, amar as pessoas, aceitar do jeito que são.
Sorrie, sonhe, plante objetivos, compreenda, ame, lute, apresente-se, grite, brinque, chore, ame.
Agradeça todos os dias ao acordar por está vivo.
Lembre-se: muitos não conseguiram essa dádiva hoje.
Como já dizia Augusto Cury: “Somos uma jóia única no teatro da existência”.
(Jhennifer Cavassola)



SELO BLOG DE OURO
A meninas do blog Te Aguenta no Salto me retribuiram com o selo blog de ouro. Hummm fiquei muito feliz! O blog da Mulher Diferente, um blog de ouro? Isso mesmo, blog de ouro! Que legal! Fico muito agradecida com vocês leitores.

Repasso o selo para mais 4 blogs de ouro que não coloquei na lista passada, mas que merecem o selo.

Mulher Paraense

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

SE O AMANHÃ NÃO VIER...

Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu veria você dormir, eu aconchegaria você mais apertado e rogaria ao Senhor que protegesse você.
Se eu soubesse que essa seria a última vez que veria você sair pela porta, eu abraçaria, beijaria você e chamaria de volta, pra abraçar e beijar uma vez mais.
Se eu soubesse que essa seria a última vez que ouviria sua voz, eu filmaria cada gesto, cada palavra sua, para que pudesse ver e ouvir de novo, dia após dia.
Se eu soubesse que essa seria a última vez, eu gastaria um minuto extra ou dois, para parar e dizer "Eu te amo", ao invés de assumir que você já sabe disso.
Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu estaria ao seu lado, partilhando do seu dia, eu não pensaria: "Bem, tenho certeza que outras oportunidades virão, então eu posso deixar passar esse dia".
A gente sempre acredita que haverá um amanhã para se fazer uma revisão, corresão de rumos ou dizer um para o outro: "Eu te amo".
O dia de amanhã não está prometido para ninguém, jovem ou velho...
Hoje pode ser sua última chance de segurar bem apertado a mão da pessoa que você ama.Se você está esperando pelo amanhã, porque não fazer hoje? Porque se o amanhã não vier, você com certeza se arrependerá pelo resto de sua vida de não ter gasto aquele tempo extra num sorriso, num abraço, num beijo, porque você estava "muito ocupado" para dar para aquela pessoa, aquilo que acabou sendo o último desejo dela.
Então, abrace seu amado, a sua amada hoje. Bem apertado. Sussurre nos seus ouvidos, dizendo o quanto o ama e o quanto o quer junto de você.
Gaste um tempo para dizer: me desculpe, por favor, me perdoe, obrigado, ou ainda, não foi nada, está tudo bem.Porque se o amanhã jamais chegar, você não terá que se arrepender pelo dia de hoje, pois o passado não volta e o futuro talvez não chegue.
(Carta do esposo de uma das aeromoças, que morreu no acidente da Gol no Mato Grosso)
*
*
*
Pensar na morte, nos faz pensar muitas coisas. Só não sabemos direito que a vida passa tão rápida e que hoje estamos aqui e amanhã podemos não está. Deixamos muita coisa pro amanhã e esquecemos de viver o agora.
A frase de entrada no blog diz: "Hoje é o primeiro dia, do resto da minha vida."
E tento fazer isso, tento resolver logo as pendências. Acredita que tenho medo das brigas, das magoas, por conta que algo que possa acontecer e marcado ficou? Acho que a vida sem mim continuaria do mesmo jeito rss Não mudaria muita coisa, algumas tristezas, saudades, mas logo todo ficaria no devido lugar. Mas procuro viver de um modo que eu faça a diferença.

Tem um texto que diz:
“Quando você nasceu, você estava chorando e todos as pessoas ao seu redor estavam sorrindo. Viva de um modo que ao morrer, você seja aquele que esteja sorrindo enquanto todos a sua volta estejam chorando.” (Autor desconhecido)

domingo, 7 de setembro de 2008

Mendigos

Na Postagem do dia 30 de Agosto falei sobre o "Controle de Natalidade" como uma das formas de mudança para o nosso país. Quem leu e comentou agradeço e quem não leu peço que leia e deixe sua opinião. Nessa postagem falarei sobre outro fator que são os mendigos.
A descriminação para com os mendigos é tremenda. Quando passamos por um deles, nos fazemos de cegos, surdos e mudos. Então eles pensam que não estão chamando a nossa atenção. E o que eles vão fazer? Chamar a nossa atenção. Como? Roubando, sequestrando, cometendo homicídio, pois assim eles chamam nossa atenção. Tem pessoas que se assustam ao ver um mendigo na rua, essas pessoas ficam com medo ou sentem nojo. E quando um andarilho vem pedir ajuda acham que são falsos miseráveis querendo usar da boa fé. Não estou querendo dizer que isso não existe, claro que existe e muito. Mas devemos pensar que estamos fazendo a nossa parte e se for um mendigo falso que pagará pelo pecado será ele. Tudo bem, do jeito que está hoje não podemos confiar muito, dar atenção a qualquer um na rua ou na porta da nossa casa. Na verdade hoje não podemos nem confiar em uma velhinha que tropeça na nossa frente, pois se ajudarmos pode ser uma armadilha (como aconteceu com uma amiga minha). Uns pedem por safadeza, outros tem condições de trabalhar, mas querem mesmo é viver pedindo. Têm muitos que pedimos em troca da ajuda pra eles fazerem um serviço na nossa casa e sabe o que eles acham? Que isso é um abuso da nossa parte. Confesso uma coisa a vocês, já fiquei na pele de um mendigo por causa de uma promessa. Certa vez me vestir com trapos velhos, passei graxa no rosto, fiquei descabelada, totalmente irreconhecível e sai na rua. Vocês acham que fui bem vista? Não! Senti na pele o que eles passam. Todas aquelas pessoas que gostavam da minha companhia seja por status, beleza, papo, todas aquelas pessoas nem se quer me olhava. Eu era um patinho feio na lama! Juro que fiquei com muito medo que alguém me reconhecesse, não serei hipócrita, a vergonha era grande. Mas, foi uma experiência e tanta os quase 60 minutos que fiquei assim.Há 2 meses atrás falei sobre o "morador de rua que passou no concurso público". Essa história me fez acreditar mais no Brasil, na nossa gente. Emocionei-me bastante e fiquei super orgulhosa. Até porque como vocês viram, eu tenho outra teoria sobre os mendigos e vi que podemos mudar e até eles podem. O 'maior abandonado', mostrou que pode se aparecer de outra forma, com dignidade, com brilho e coragem. É, uma atitude positiva supera os maiores obstáculos. Viver socialmente não é difícil, só depende realmente de nós. Infelizmente nem todos pensam assim. É legal viver padronizado, em ética e com liberdade de escolha. Precisamos acreditar que só em sociedade os homens poderão se tornar mais humanos e realmente felizes. Violência só gera violência! Gentileza gera gentileza!
Sonho com um país melhor! Um país que as pessoas não tenham que verem o outro passando fome, para ter um carro que voa. Para mim, a educação, a conscientização política e nossa conscientização são à base de tudo, e da tão esperada mudança. Acho que cada um tem que fazer sua parte. (Jhennifer Cavassola)

sábado, 6 de setembro de 2008

Cagadas Acontecem

No mundo de hoje, onde a eficiência e a competitividade são valores categóricos, nada pode ser mais assustador do que pagar mico.
Haveria mais felicidade se as pessoas se cobrassem menos e aceitassem mais suas falhas, medos e inseguranças.
Podemos nos permitir pagar tantos micos. É necessário libertarmos a criança que existe em nós.
“Quando crescemos, tendemos a adotar uma postura profissional rígida e séria. Matamos aquela criança alegre, livre - e por isso mais propensa à criatividade - que existe em nós para nos enquadrarmos no sistema do mercado”. (Regina Araujo)
Pagar mico é também uma oportunidade de aproveitar situações imprevistas para ressaltarmos nossa individualidade e originalidade. “Quando pagamos micos, somos nós mesmos, sem máscaras, sem códigos e sem qualquer possibilidade de aplicar fórmulas”. Pagar mico, além de ajudar a nossa própria aceitação, faz bem à saúde. Um bom mico sempre provoca boas gargalhadas – sejam as alheias ou as suas próprias. O riso e o bom humor são ações integrantes de uma saúde plena. Sorrir ativa regiões do cérebro vinculadas ao bem-estar e melhoram assim a capacidade imunológica. Já descobriram até que sorrir reforça o coração, um músculo. Ao rirmos, também oxigenamos o sangue e o cérebro.

Tenho um comportamento despojado, sou solta demais, faladeira, alegre... Acho que por isso q
ue já passei muitos apuros, paguei muitos micos.
Já cai na frente de todo mundo; bati moto de uma amiga; queimei um filme fotográfico de um cliente, que usaria as fotos pra trabalho; peguei ônibus errado e fiquei mais de 45 minutos rodando no ônibus com duas tias de outra cidade; rolava duas festas na mesma rua, daí entrei na festa errada; dei gargalhada de piadas que só eu achei graça e quando percebi, todos estavam sorrindo de mim; e uma vez fiquei conversando com uma pessoa, achando que era outra; fora os micos quando alcoolizada.

- Contarei agora duas cagadas master's rsss.

* Certo dia eu estava escutando meu programa de rádio preferido. Quase todos os dias o locutor mandava um alô pra mim, mesmo sem eu ligar. Resolvi ligar pra dar um alô e marcar presença. Quando desliguei o telefone, meu amigo Fabinho ligou pra mim. Colocou na linha mais 3 pessoas. Na conferencia telefônica só se escutava histórias, brincadeiras e riamos muito. Eu continuei a ouvir o programa, até que entrou as propagandas e o locutor começou a falar. Eu virei pra galera no telefone e disse: - Espera pessoal, o Beto vai falar meu nome, quero ver o que ele vai falar. Beto falou o nome de ciclano, beltrano, fulano e nada do meu nome... e eu dizia pra galera: - ele vai falar, ele sempre fala e hoje que eu liguei então. Os oferecimentos acabaram, começou a música e o Beto não falou. Nesse momento, todos mudos na linha e eu falava: - alô! Alô? Ei gente... A galera gritou: - Quac quac quac quacc (barulho do pato). Que micooo! Deus do céu. Aproveito pra mandar beijos pra essa galera: Fabinho, Glauber, Renatinho e Rogério.

* Certa vez na época do Colegial, estava eu e mais dois colegas conversando. Um deles se chama Daniel. Conversa vai e conversa vem, começamos a falar sobre João, um amigo nosso. E eu continuei a falar: - Sim, falar em João fiquei sabendo que ele está ficando com uma menina horrorosa. Me disseram que a voz dela é nojenta, que ela é magrela e fiz uma expressão com o rosto mostrando como era a garota. Daniel perguntou: Quem é essa menina? Eu respondi: - Uma tal de Luciana Duarte. O mesmo menino falou: - Luciana Duarte? É minha irmã. Ela está com ele mesmo.
Caraca, naquele momento eu queria enfiar minha cabeça no chão, me senti o ultimo biscoito do pacotinho prestes a ser comida. Dai falei toda pálida, sorrindo de lado e gaguejando: - suuuaa iirmã? Assim só falei o que fiquei sabendo, nem a conheço. Desculpa ai.
O outro menino sorriu e Daniel saiu. E o pior gente, é que eu iria falar mais coisas, historinhas dela com outros caras e tals. Graças a Deus ele falou logo que era irmã dele. Mas a situação mais constrangedora eu ainda não contei. Depois da cagada feita, vocês acreditam que dois meses depois ele me apresentou a irmã, na maior cara de pau em uma festa? Pois é, ela já estava sabendo de tudo e me tratou na maior frieza, sorrindo, debochando da minha cara. E eu novamente querendo enfiar minha cara no chão. Cagadas acontecem! rsss Quem nunca pagou um mico, que atire o primeiro gorila.
*
Postagem inspirada no livro "A arte de pagar micos e king kongs - Viver sem culpa" de Regina Araújo. O livro apresenta uma coletânia de tipos de micos, muitos com os quais o leitor vai se identificar. É ilustrado com desenhos de Alex Ponciano. A autora do livro Regina Araújo diz: “Mais do que contar micos, gostaria de incentivar todos que temem o novo, o desafiador, o ridículo e a exposição a perceber que estas vivências do mundo fazem parte do enriquecimento de nossa experiência”. Ao se arriscar, você no mínimo sai da rotina. O que fazemos de diferente é o que marca nossas vidas. Aproveito para sugerir ao Governo Federal que adote o seguinte lema em suas campanhas: ‘O Ministério da Saúde adverte: pagar micos faz bem à saúde’.
AGORA É A VEZ DE VOCÊS. EXPONHAM SEUS MICOS PREFERIDOS NOS COMENTÁRIOS.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Maturidade / Meu aniversário

Refletindo sobre idades, me vem na mente exemplos de pessoas jovens com maturidade, gente mais velha e imatura e também gente adequada ou compatível com sua idade.
Admito que conheço pessoas de 30 anos só na expressão, no jeito de olhar, com a conversa. Mas é que 30 anos é uma idade bela e nessa idade a pessoa está estabilizada ou está se estabilizando. Não estou falando no sentido de grana e sim de maturidade. Claro que a maturidade é um crescimento que quando chega o suficiente "bummmm!!" explode e chega a morte. A vida é um aprendizado e vivemos disso.
Será que sabendo a idade do outro, você o conhece melhor?
Saber a idade muitas vezes nos ajuda a criar certo caráter visual de uma pessoa.
Dependendo do caso a gente costuma rotular ou falar coisas do tipo: “caramba, você é muito jovem pra isso”. “Vai tomar juízo, pois a sua idade já passou”. “Filho agora? Você é muito jovem”.
Meus momentos, quem sou agora, quem sou amanhã; acho que não tem muito a ver com minha idade e sim com meu estado de espírito. Infelizmente a vida não nos dá muito tempo para esperar, os anos passam e a vida te cobra uma postura agora e amanha te cobrará outra.
As pessoas se importam muito com a idade dos outros. Existem muitas censuras. Claro que quando se trata de uma criança é tudo diferente; pois até a puberdade, as crianças são outras, e depois disso o mundo está começando a mudar na cabecinha deles. Mas até a puberdade não tem idade certa, acontece entre 10 e 15 anos, ou não. Nessa hora começa o jogo da idade hormonal, educação, a preocupação dos pais aumenta e é necessária uma saudavel educação.
Eu sou maior de idade no registro civil, embora eu ainda me sinta "meio verde" para certas coisas, eu percebo que minha idade civil tem cada vez menos influência no meu "amadurecer", pois o que me amadurece mesmo são as experiências que eu vivo e não quando as vivo.
A vida não espera que você tenha idade para vivê-la, ela vai te oferecendo coisas, opções, escolhas, cabe a você então decidir o que é mais conveniente. A idade que você tem, n
ão precisa ser sua única justificativa para tomar certas decisões.
Orgulho-me por ser diferente dos jovens da minha idade. "Amadureci rápido", tenho bagagem na vida e isso requer maturidade das pessoas que me acompanham. Mas do que beleza, prezo a essência, o bom humor e os principios. Só por hoje eu sou feliz. Só por hoje eu sou amada. Só por hoje eu amo a todos que me arrodeiam. "Hoje é o primeiro dia, do resto da minha vida."

Ps: Hoje estou completando ano. O que significa pra mim? Que é uma data igual a todas as outras. Todos os dias é dia de aprendizado, a cada dia amadureço mais. Sou aquela fruta com vários pontinhos amarelos e outros verdes. Sei que a tendência é ter mais responsabilidade, sou ciente disso desde que completei 12 anos. Mas juro que um dia eu me demito, juro que um dia eu largo tudo e volto a ser criança. Afinal não existe nada mais belo.

Inspirada no texto A verdadeira Idade, de Ana Karenina.